Refúgio


Ontem fui à Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, que também acolhe São Francisco, em Angelina, SC.
Quem me conhece, sabe que não sou católica, mas tenho respeito por todas as religiões. 
O importante é a conexão e o amor para com todos os seres. E neste lugar, um dos meus refúgios favoritos, não há como não se emocionar com a presença fortíssima do Sagrado Feminino.

Fui pela primeira vez sozinha.

E na subida, um Frei estava naquele exato momento dando a benção a um grupo de fiéis.
Relutei em parar, não sou católica (já disse), mas aquele velhinho, de batina marrom, sorridente, tranquilo, amoroso, de face trêmula devido à idade, me contagiou por completo.

Emocionada ouvi suas palavras que evocavam Maria, Nossa Senhora; e quando ele  cantou uma linda canção para ela, com uma devoção divina, não segurei e verti em lágrimas.

Naquele momento, eu vi; não há divisão para amor, não há religião para conforto.   

Eu estava ali, recebendo a benção de um ser, que não me interessava de qual religião, mas sim o que dele emanava. E emanava amor, liberdade, alegria e muita, muita tolerância.

Um presente abençoado, divino.

Gratidão imensa por ter tido a oportunidade de ver que tudo está conectado.

Gratidão ao Frei Nestor (esse é o nome dele) pela benção.

Gratidão por me lembrar de Frei Hugonilo, que benzia aqui em Santo Amaro da Imperatriz (ele faleceu em 2011) e curava com a imposição das mãos (Reiki), da qual tive a benção de conhecer antes que ele partisse para outra dimensão.
Agora há um museu com toda a história dele, e o que é impressionante de se ver é a conexão e devoção que ele nutria por Nossa Senhora. Entrar na Capela em que ele pregava, é entrar num espaço do Sagrado Feminino.

Durante a semana, vou continuar a postar os 21 Insights.

É que precisava letrar tudo isso!

                   E aqui está o Frei que parou meu tempo ontem à tardinha (ele está com 91 anos!)




                                       Posto aqui também fotos do Frei Hugolino





E aqui está a Gruta de Nossa Senhora de Lourdess, nossa Mãe Maior, Mãe Divina, Nossa Senhora, Grande Mãe... ou nome que você se sentir conectada.






Beijo com alma nutrida, acalentada, feliz, conectada



Nuas... depois da Lua


Encontros entre mulheres sempre deveriam ser assim: nus.
Por isso, é delicioso dormir entre amigas.
Primeiro porque descortinamos, desnudamos nossas vestimentas e máscaras sociais.
Daí vem o pijama, a camisola, a blusinha velha e carinhosa que envolve o corpo que pede liberdade e aconchego. E a alma respira, a pele flutua, e de caras lavadas, rimos dentro de copos de vinho ou simplesmente água.

E o corpo escorrega entre óleos e cremes.

Melhor ainda se há possibilidade de fogo.
Lareiras, fogão a lenha, velas acendem segredos e risos eróticos.

É tão incomum mulheres se despirem assim hoje dia...

Tenho a nítida certeza que Clarissa Pinkola ocultou uma palavra ao intitular seu livro:

Mulheres que correm com os lobos (nuas)

Ainda vou provocar um encontro de mulheres nuas... Livres Nuas na Lua

Para aformosar ainda mais este texto, deito aqui imagens de uma delicadeza e feminilidade nunca por mim antes vista.

por Francine Van Hove (artista plástica francesa)














Francine Van Hove










ps.: peço desculpas pela falha em não inserir o títulos das obras, mas infelizmente não consegui estas informações.


Beijos nus